Os benefícios da atividade física para o cérebro são comprovados, e você pode aproveitar para melhorar o seu desempenho

Oi meninas, hoje no blog vamos conversar sobre os benefícios da atividade física para o cérebro. Vocês já tinham parado para pensar nisso?

Há diversos estudos que confirmam que atividades físicas trazem benefícios para a saúde mental que vão muito além daquela sensação de felicidade e bem-estar que temos depois de praticar exercícios, que pode ser a caminhada ou corrida.  Aliás, a liberação de endorfina é responsável por combater o estresse, melhora o humor e o sono. 

E como esse assunto é bem interessante, conversamos com o coordenador da CIMUS (Centro de Integração Multidisciplinar), neurocientista e pedagogo Jonas Gomes Silva, para explicar todos os benefícios da atividade física para o cérebro. 

Vem conferir esse bate papo esclarecedor!

Atividade Física e o cérebro: os benefícios 

A atividade física pode ajudar em diversos âmbitos, como profissional e pessoal, melhorando em diversos aspectos que influenciam na nossa rotina. “As reações eletroquímicas causadas pelo exercício produzem benefícios no cérebro e envolvem mudanças na plasticidade sináptica. O exercício ativa moléculas e células que mantém a plasticidade do cérebro, promove a vascularização, a neurogênese (criação de novos neurônios) e mudanças funcionais na estrutura neuronal, estudos mostram um aumento na massa cinzenta de pessoas que praticam atividades físicas”, explica Jonas Gomes Silva.

O neurocientista acrescenta que o exercício físico aumenta a liberação de diversos neurotransmissores, como: norepinefrina e seus precursores, serotonina e ß-endorfinas após uma sessão aguda de exercício. O endorfina é a responsável pela sensação de felicidade e bem-estar que se recebe após as atividades físicas. 

Atividades físicas contribuem para as funções cognitivas, como: memória, percepção, linguagem, raciocínio, planejamento, monitoramento e atenção. “A consequência do exercício físico sobre a função cognitiva pode ser direta ou indireta. Os que agem diretamente, aumentam a velocidade do processamento cognitivo, com uma melhora na circulação sanguínea cerebral e degradação de neurotransmissores. Já os que agem indiretamente atuam na diminuição da pressão arterial, decréscimo dos níveis de triglicérides no plasma sanguíneo e inibição da agregação plaquetária, melhorando essas funções e refletindo na qualidade de vida”, aponta o coordenador da CIMUS. 

E o neurocientista também revela que atividades físicas podem aumentar o fluxo sanguíneo cerebral e, por consequência, o oxigênio e outros substratos energéticos, assim proporcionam uma melhor performance da função cognitiva. 

Metas 2020: como começar a planejar?

Atividade física e os benefícios para o cérebro: terceira idade

Jonas Gomes também trouxe dados bem interessantes de um estudo com 50 homens sedentários e saudáveis, de 60 a 75 anos. O estudo apontou que metade deste grupo começou a praticar atividade física uma hora, três vezes por semana, já a outra metade continuaram suas rotinas normais. 

Os testes físicos e neuropsicológicos realizados antes e depois, após seis meses, demonstraram que o grupo que praticou atividade física apresentou aumento da capacidade funcional; melhora nas funções cognitivas, como memória, aprendizagem, atenção, vigilância, raciocínio e solução de problemas; além de benefícios, como diminuição da pressão arterial, melhora no desempenho cardíaco, humor, autoestima e qualidade do sono.

E se bater aquela preguicinha para praticar atividade física?

Nem sempre acordamos com toda aquela disposição para sair da cama e caminhar ou correr, mas, ficar longos períodos sem atividade física pode gerar reações negativas para o cérebro. 

Assim como todo o nosso corpo é afetado com benefícios com as atividades físicas realizadas regularmente, a falta de hábito saudável, como treinos físicos e alimentação trazem malefícios à saúde do corpo, isso inclui o nosso cérebro e todas suas complexidades”, pontua Jonas Gomes Silva.

O neurocientista e pedagogo também nos lembra que hábitos são comportamentos automáticos. E ainda ele adverte “Quando você cria um hábito, não só de atividades físicas, mas como boas práticas saudáveis envolvendo alimentação, dificilmente você quebrará esse comportamento automático que te traz benefícios, no humor, produtividade, qualidade de sono e estéticos”. 

Não podemos nos esquecer dos benefícios da atividade física para o cérebro quando o assunto são doenças degenerativas, como o Alzheimer. 

“Pela primeira vez um estudo novo mostra que as intensidades baixas e altas de exercício influenciam diferencialmente na função cerebral. Por meio da ressonância magnética funcional em estado de repouso (Rs-fMRI), técnica não-invasiva permitindo estudos sobre conectividade cerebral, descobriu que o exercício de baixa intensidade desencadeia redes cerebrais envolvidas no controle da cognição e no processamento da atenção, já o exercício de alta intensidade ativa principalmente redes envolvidas no processamento afetivo e emocional”,  ressalta o coordenador da CIMUS. 

Como driblar possíveis estímulos para não praticar atividade física?

Manter a motivação para praticar exercícios, para algumas pessoas, pode ser uma tarefa árdua e muito cansativa. Temos um post de motivação para praticar exercícios físicos para deixar de vez esse pensamento. E, ainda, para te convencer que atividades físicas podem ser inseridas na sua rotina (seja ela qual for), Jonas Gomes deixou três dicas maravilhosas, anote aí: 

  • Tenha um calendário visível para você acompanhar sua frequência de atividades, registre toda vez que você fez ou não fez, dessa forma, em uma semana, você pode olhar para trás e ver com o que conseguiu ou não, é bem provável que na próxima semana esses resultados se repetirão, então servirá de parâmetro para você fazer ajustes na sua agenda;
  • Convide alguém para participar, se é casado ninguém melhor que seu cônjuge, se é solteiro, os amigos, se é tamanho família existem diversas atividades para fazer com todos. Isso ajudará em sua inspiração mesmo que tenha dias que não esteja com disposição você irá, pois pessoas que o amam estarão te inspirando.
  • Comece devagar, sonhe com um objetivo em três meses: se for perder peso estabeleça um plano e trace as estratégias que você precisará fazer diariamente para conseguir realizar este objetivo em três meses, e claro registre isso, cole nas paredes, lembretes digitais, mas realmente faça um registro desse planejamento num papel , não ficará apenas como um sonho distante e muito complexo para ser realizado, por isso não coloque muito tempo para que ele seja realizado.

Além disso, o Jonas Gomes Silva ressalta que a falta de exercícios ou pausas prolongadas privará que conectividades, como controle da cognição, processamento da atenção, processamento afetivo e emocional aconteçam no cérebro, o que pode ser fundamental para o bem-estar no cotidiano e no futuro quando nos tornamos mais velhos.


Referências usadas pelo neurocientista e pedagogo Jonas Gomes Silva, coordenador da CIMUS.

Tomaz, C. (2006). Memória E Atividade Física, 14(77), 101–108.

Schmitt, A., Upadhyay, N., Martin, J. A., Rojas, S., Strüder, H. K., & Boecker, H. (2019). Modulation of Distinct Intrinsic Resting State Brain Networks by Acute Exercise Bouts of Differing Intensity. Brain Plasticity, 5(1), 39–55. https://doi.org/10.3233/bpl-190081

Antunes HKM. A influência do exercício físico aeróbico em funções cognitivas e viscosidade do sangue de idosos normais. São Paulo; 2003. Dissertação de Mestrado – Escola Paulista de Medicina

OECD Better policies for Bettter lives, Pissa, 2018. Dsiponível em < http://www.oecd.org/pisa/publications/pisa-2018-results.htm

Você também pode gostar:

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *